Páginas

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

ABC Expurgo - BIONEWS - Infectologista fala de doenças que podem ser transmitidas pela água de chuva contaminada

ABC Expurgo - BIONEWS - Infectologista fala de doenças que podem ser transmitidas pela água de chuva contaminada

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

NO PARANÁ, O LIXO É 53% DOS CRIADOUROS DO MOSQUITO DA DENGUE. IMAGINE NOS OUTROS ESTADOS A SITUAÇÃO.

Noticia veiculado em jornal no Estado do Paraná. Imagine os outros Estados da Federação!!!!!!!
Lixo responde por 53% dos potenciais criadouros de mosquito de Aedes A falta de gestão de resíduos sólidos nos municípios é apontada pela Secretaria de Estado da Saúde como a principal causa para a existência de criadouros do mosquito Aedes aegypti (transmissor da dengue) no Paraná. Em 2011, dos 12 milhões de depósitos encontrados durante vistorias e que poderiam acumular água e se tornar criadouros do mosquito, 53% foram considerados lixo, como copos descartáveis, garrafas pet, latas, sucatas e outros pequenos objetos. De acordo com levantamento da Sala de Situação da Dengue, outros tipos de depósitos comumente encontrados nas visitas dos agentes de endemias são vasos de plantas, tanques, hortas, calhas, lajes e objetos de obra e pneus que, juntos, correspondem a 37% do total. Além da eliminação manual dos possíveis criadouros, o agente de endemias também realiza um trabalho educativo junto à população para que as residências fiquem livres de focos do mosquito. Segundo o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz, a implantação do plano municipal de gerenciamento de resíduos sólidos e a criação de programas de coleta seletiva do lixo são uma solução viável para diminuir o número de focos do Aedes aegypti. “Para isso, é necessário que haja o envolvimento de todos, desde o gestor, com o planejamento, execução e incentivo a essa prática, até a população, com a separação do lixo reciclável nas residências”, afirmou. No feriado do Carnaval, as pessoas que pretendem viajar não podem esquecer de proteger os locais que acumulam água. Para a coordenadora do Programa Estadual de Controle da Dengue, Jaqueline Finau, a população deve fazer uma vistoria em casa e no quintal antes de viajar. “Vedar adequadamente a caixa d´água, limpar as calhas e proteger ralos de banheiro e de pias são medidas que podem evitar problemas maiores após o retorno para casa”, orienta.

Colombia usa técnica de Hero Rats para detectar bombas em seu território

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

CAMPANHA DA DENGUE COM OS PERSONAGENS DE MAURICIO DE SOUSA

CAMPANHA CONTRA DENGUE

RIO PODE TER A PIOR EPIDEMIA DA HISTÓRIA

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse ontem que a cidade do Rio de Janeiro está ameaçada, este ano, por uma das piores epidemias de dengue da sua história. O que mais agrava o cenário na capital fluminense, segundo ele, é a entrada da dengue tipo 4 no País. "Esse não é um tipo mais grave, não faz com que a pessoa tenha risco maior de morrer, mas, como pouquíssimas pessoas no Brasil já pegaram esse tipo de vírus, um número maior de pessoas está suscetível", explicou, o ministro em entrevista à EBC Serviços. Segundo Padilha, O Rio de Janeiro já registrou, nos primeiros meses de 2012, o maior número absoluto de casos de dengue e o maior aumento em relação ao ano passado. "Temos que manter e intensificar as ações. O Rio de Janeiro, eu diria, é a cidade que mais preocupa o Ministério da Saúde", reforçou. Um levantamento feito em agosto do ano passado mostrou que a maioria dos focos do mosquito Aedes aegypti na capital fluminense estava em caixas d'água. Um novo estudo, entretanto, realizado em dezembro de 2011, indica que a maioria dos focos está dentro da casa das pessoas, em pequenos vasilhames. "O ovo do mosquito pode sobreviver até 300 dias em ambiente seco e ficar viável. Se volta a chover, ele eclode, vira larva e pode transmitir a dengue", alertou Padilha. No Rio, em clima de carnaval, agentes de saúde fantasiados promoveram na estação de trem de Engenho de Dentro, a campanha Ação nos Bairros contra a Dengue. Cortes na Saúde Ao comentar os cortes anunciados pelo governo federal no Orçamento Geral da União de 2012, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que a pasta ainda terá o maior orçamento da história, com aumento de 17% em relação ao do ano passado, e o maior volume de recursos desde 2000. Os ministérios da Saúde, das Cidades e da Defesa foram os mais afetados pelo corte de R$ 55 bilhões no Orçamento Geral da União. Segundo números divulgados na quarta-feira (15), apenas nessas três pastas, o bloqueio de verbas soma R$ 12,114 bilhões. Na Saúde, serão cortados R$ 5,473 bilhões. O volume de recursos foi reduzido de R$ 77,582 bilhões para R$ 72,110 bilhões. "Sabemos que a saúde precisa de mais recursos, mas, no papel de ministro, tenho que fazer mais com o que nós temos", ressaltou, Padilha lembrou ainda que, apesar do corte, o volume de recursos destinados à área de saúde este ano é maior do que o previsto pela Emenda Constitucional 29 como contribuição obrigatória por parte do governo federal. "Vamos trabalhar muito para executar esses recursos. Eu, como ministro da Saúde, não tenho que ficar esperando os recursos virem do céu. Temos que fazer mais com o que nós temos, temos que fazer com que esses recursos sejam mais bem aplicados, combinando [isso] ao combate ao desperdício de recursos na saúde", disse Padilha. De acordo com o ministro, em 2011, a pasta chegou a economizar R$ 1,7 bilhão, por meio de medidas como a centralização da compra de medicamentos e o combate a fraudes. O montante, segundo ele, possibilitou a criação do programa Saúde Não Tem Preço, que distribui remédios gratuitos para combater a hipertensão e o diabetes. Carnaval Uma das principais estratégias de atuação do Ministério da Saúde na campanha de carnaval deste ano será reforçar entre as gerações mais jovens que a aids não tem cura e que a única forma de prevenção é o uso da camisinha. O ministro Alexandre Padilha lembrou que o público-alvo, em 2012, são jovens gays com idade entre 19 e 24 anos. Dados do ministério indicam que houve uma queda de 20% nas novas infecções registradas entre jovens no ano passado. Entretanto, o número de novos casos entre homens que fazem sexo com homens nessa faixa etária subiu 10% em relação a 2010. Outro levantamento da pasta revela que houve redução do uso da camisinha entre jovens - apenas 43% deles declararam fazer uso regular do preservativo. "A avaliação que o ministério faz hoje é que há uma geração nova que não teve a experiência de ver ídolos que lutaram no início da aids e que chegaram a morrer e, por isso, estão menos sensibilizados aos riscos da infecção pelo HIV", explicou Padilha. De acordo com o ministro, além de campanha na TV aberta, serão feitas ações de rua nas principais cidades onde há movimentação por causa do carnaval, como Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Florianópolis. A pasta fechou parcerias com trios elétricos, camarotes e artistas. Serão montadas ainda tendas para realização de teste rápido para HIV e hepatite. No Recife, será feita uma simulação da atuação da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo Padilha, a ideia é reforçar as equipes de pronto-atendimento, do Serviço de Atendimento Móvel de Emergência (Samu) e montar uma central de operação para controle do funcionamento dessas ações. "Faremos uma simulação do que pode acontecer durante a Copa das Confederações e a Copa do Mundo nas ruas brasileiras", explicou. fonte- DCI

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

VIRUS 4 DA DENGUE PREDOMINA NO RIO DE JANEIRO

O vírus tipo 4 da dengue já é o predominante no Rio de Janeiro, segundo boletim semanal da dengue divulgado pela Secretaria municipal de Saúde na tarde desta terça-feira. Até o momento, segundo a Secretaria, foram confirmados laboratorialmente 29 casos de dengue tipo 4 na cidade. Nas amostragens coletadas, o tipo 4 já é o predominante entre o total de sorotipos de vírus de dengue isolados, com 61,7%. O vírus 1, que era predominante, agora é responsável por 38,3% dos casos da doença analisados. O primeiro caso de dengue do tipo 4 detectado na cidade foi na Zona Oeste, no final de janeiro. Até a semana passada, o Rio tinha oito casos confirmados do novo vírus. O vírus 1 ainda predominava, com cerca 87% dos casos. O número de casos de dengue, em 2012 é 3.499. Na última semana, foram notificados apenas 45 casos, mas a Secretaria municipal de Saúde informou que esse número poderá muito maior, já que a média de casos por semana tem passado de 600. O município do Rio está entre as dez cidades que tiveram aumento de casos da dengue em 2012. A incidência da doença aumentou para 46,1 casos por 100 mil habitantes, no período entre 1º de janeiro a 11 de fevereiro deste ano, contra 37,5 registro no mesmo período do ano passado. Uma alta de 22,9%. O maior aumento na taxa da doença foi registrado em Palmas, no Tocantis, com uma elevação para 743,7 casos a cada 100 mil habitantes, alta de 349,6%. O segundo município no ranking do Ministério da Saúde é Parauapebas, no Pará, com uma incidência de 430 casos de dengue, alta de 179,5 % em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 153,8 casos por cada 100 mil habitantes. Por outro lado, apesar de estar entre os dez municípios com grande incidência de dengue, a capital do Acre, Rio Branco, teve queda de 92,24% no número de registros em cada grupo de 100 mil habitantes. Em 2012, foram registrados 224,2 casos da doença, contra 2.889,2 no ano passado. No geral, segundo o ministério, o Brasil registrou redução de 62% nos casos de dengue neste ano. Foram notificados 40.486 casos da doença, contra 106.373 no ano passado. Seguindo a mesma tendência, houve diminuição de 86% nos casos graves - que passaram de 1.345 (2011) para 183 (2012), e de 66% nos óbitos, que reduziram de 95 (2011) para 32 (2012).
 

Essa foto mostra bem a capacidade dos ratos em abrir caminho para chegar onde eles querem, ou seja, o abrigo e o alimento. Essa é uma parede maciça de tijolos e foi perfurada como se fosse uma parede de manteiga. Essa e muitas outras aparições são detectadas durante nossos serviços e inspeções. Incrível, vocês não acham?

Lucia Schuller
Bióloga
Mãe de Cristiano Schuller
Posted by Picasa

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

DEIXA O XINGU VIVER

LAMENTAMOS NÓS, POVO CONSCIENTE, DAS DESASTROSAS ATUAÇÕES DE UM PARTIDO EM NOSSO AMBIENTE. HÁ MUITO QUE AS PESSOAS LIGADAS A ESSE PARTIDO RENDERAM-SE AOS APELOS DO DINHEIRO E JUNTARAM-SE AOS GRUPOS MINORITÁRIOS QUE TÊM DINHEIRO SUFICIENTE PARA COMPRAR TUDO E TODOS, MENOS AQUELES QUE AINDA TÊM ORGULHO E NOÇÃO DO RISCO QUE A HUMANIDADE CORRE COM ESSA SANGRIA.A DIGNIDADE DO HOMEM É TUDO NESSA VIDA.VAMOS NOS ENGAJAR NESSA LUTA, BRASILEIROS ACORDEM, LUTEM,BRIGUEM POR ESSA CAUSA, ESSAS LOUCURAS VÃO AFETAR A TODOS. MAIS UMA COISA, DINHEIRO NÃO É TUDO NA VIDA, MAS TAMBÉM NÃO É RUIM, CLARO, PORÉM AMEALHAR EM EXCESSO, SEM PRESERVAR O DIREITO DE TODOS, TRAZ GRAVES CONSEQUENCIAS. E OUTRA, NÓS NÃO IREMOS LEVAR NENHUMA RIQUEZA DAQUI PARA O OUTRO MUNDO QUANDO CHEGAR A NOSSA HORA. DO QUE ADIANTA TANTA GULA? NADA. NO OUTRO MUNDO NÃO HÁ BOUTIQUES NEM RESTAURANTES CAROS PARA GASTAR ESSE DINHEIRO. A MOEDA LÁ É OUTRA, É AQUELA QUE GANHAMOS NA NOSSA VIDA TERRENA EM VALORES E AMOR. LUCIA SCHULLER