Páginas

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Febre Amarela


Campinas confirma primeiro caso de febre amarela contraído no município


Secretaria de Saúde de Campinas confirmou, na tarde desta quarta-feira (19), o primeiro caso autóctone de febre amarela de morador da cidade. Isso significa que a doença foi contraída no município de residência da pessoa. Exames feitos pelo laboratório do Instituto Adolfo Lutz comprovaram a doença. Um caso suspeito permanece em investigação.

Segundo a prefeitura, o paciente vem sendo acompanhado desde o início de abril, quando o caso foi notificado ao Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) por um hospital público do município.

O homem, de 63 anos, passa bem. Ele mora próximo na área rural de Sousas, próximo onde foram encontrados sete macacos positivos para febre amarela.

Desde janeiro, outros três casos suspeitos da doença de moradores de Campinas foram investigados e descartados.

Desde segunda-feira, a vacina contra febre amarela está disponível em todos os Centros de Saúde do município. Mais de 109 mil moradores de Campinas já foram vacinados este ano contra a doença, de acordo com a Prefeitura.


Sobe para 151 o número de mortes causadas por febre amarela em Minas


Até o momento, 423 pacientes já foram diagnosticados com a doença no Estado

Maior parte das ocorrências está concentrada na região leste do Estado

Subiu de 143 para 201 as mortes causadas por febre amarela, em Minas Gerais, neste ano. De acordo com a Ses (Secretaria de Estado de Saúde), outros 50 óbitos ainda estão sendo investigados no Estado.

Até o momento, Minas já registrou 1.130 notificações de casos suspeitos da doenças, sendo que 423 foram confirmados. O Estado lidera o ranking de ocorrências da doença, no surto que atinge parte do Brasil. Até o momento, 62 municípios mineiros tiveram, pelo menos, um caso confirmado de febre amarela.

De acordo com a Ses, embora tenha aumentado o número de casos confirmados, desde o dia cinco de fevereiro houve uma redução significativa do número de novas notificações. Em relação às mortes de macacos com febre amarela, 110 cidades no Estado registraram ocorrências. A SMSA (Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte) ressalta que os macacos não transmitem a febre amarela e, assim como os humanos, são vítimas.

A febre amarela é transmitida para humanos quando um mosquito das espécies Haemagogus e Sabathes picam as pessoas após picar um primata não humano contaminado. Desse modo, a morte de macacos é um indicador importante de possíveis áreas de proliferação às quais o poder público deve voltar as atenções. Em ambiente urbano, a doença também pode ser transmitida pelo Aedes aegypti – o que até o momento não há relatos em Minas Gerais.

Saiba quem deve se vacinar contra febre amarela

Para conter a proliferação da doença, o Governo tem tomado medidas como campanhas de vacinação e de conscientização. A Ses informou que até essa segunda-feira (17), 7.890.300 doses da vacina contra doença foram distribuídas em Minas. Dessas, 5.471.881 já foram aplicadas na população, sendo que 1.587.613 foram usadas em cidades com surto.


Fonte – R7

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Nova York testará produto para esterilizar ratos


Departamento de Saúde de Nova York divulgou que fará teste em pequena escala de produto que bloqueia ovulação das fêmeas.

A cidade de Nova York testará em breve um produto para esterilizar ratos que bloqueia a ovulação das fêmeas, com o objetivo de reduzir a população destes roedores que infestam a cidade.

Uma funcionária do departamento de Saúde de Nova York indicou na segunda-feira (17) que a cidade fará "um teste em pequena escala" para "avaliar a eficácia do produto", enquanto continua a "promover mudanças estruturais e comportamentais que podem reduzir as condições que permitem a proliferação de ratos".

Este produto líquido deixa as ratas estéreis e não representa nenhum risco para o meio ambiente, segundo a empresa SenesTech, do Arizona, que o fabrica.
Nova York enfrenta um grande problema de saúde pública com os ratos, espécie que se reproduz a um ritmo fenomenal - dois exemplares podem dar à luz 15 mil ratos em um único ano.

Esses roedores são legiões em Nova York e é comum vê-los nas ruas, principalmente perto dos sacos de lixo amontoados nas calçadas e no metrô.

Uma lenda urbana afirma que em Nova York há tantos ratos quanto habitantes (8,5 milhões). Mas um estudo realizado no final de 2014 por um pesquisador da Universidade de Columbia calculou que a população de roedores na cidade é de cerca de dois milhões.

Fonte: Agence France-Presse

Por France Presse

PlayStation 4 é o lugar ideal para a proliferação de baratas, diz pesquisa


De acordo com pesquisa, a ambientação das baratas dentro dos consoles da Sony é motivada pela escuridão e altas temperaturas do aparelho.


Proliferação dos insetos dentro dos consoles é tanta, que algumas assistências especialistas na manutenção de PS4 já desenvolveram uma "taxa barata".

Os usuários de PlayStation 4 ficaram sabendo de uma informação não tão animadora sobre os seus consoles. Uma pesquisa com técnicos de PS4 constatou que os videogames da Sony são uma das áreas mais propícias para abrigar as baratas, de acordo com levantamento do Kotaku, famoso blog americano especializado em tecnologia.
A proliferação dos insetos dentro dos consoles é tanta, que algumas assistências especialistas na manutenção de PS4 já desenvolveram uma "taxa barata", especialmente voltada para os problemas do gênero. 

Entenda o motivo 

De acordo com a pesquisa feita pelo Kotaku, a ambientação das baratas dentro dos consoles da Sony é motivada pela escuridão e também pelas altas temperaturas do aparelho. Segundo os técnicos, os insetos também podem aparecer no Xbox One, mas raramente. Isso porque o PS4 tem mais cavidades do que a tecnologia da Microsoft. 
Possíveis problemas 


A movimentação das baratas dentro do console faz com que a fonte, na maior parte dos casos, frite os insetos e os seus filhotes. A morte faz com que fluídos sejam expelidos, danificando o PS4.

fonte:http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/
fonte original em ingles: http://kotaku.com/console-repairmen-explain-why-cockroaches-love-ps4s-1794393470

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Criança é internada em hospital do Recife com infestação de larvas de mosca na cabeça


Segundo conselheiro tutelar, situação começou com a proliferação de piolhos e suspeita é de maus-tratos. Polícia Civil está investigando.

Uma menina de 5 anos está internada no Hospital Maria Lucinda, no bairro do Parnamirim, na Zona Norte do Recife, por causa de uma infestação de larvas de moscas na cabeça. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil e acompanhado pelo Conselho Tutelar, que fez a denúncia de suspeita de maus-tratos às autoridades.

De acordo com o conselheiro tutelar Anderson Araújo, responsável pelo caso, a menina vem sofrendo há meses e tudo começou com a proliferação de piolhos. “De tanto coçar a cabeça por causa dos piolhos, ela fez umas feridas. As moscas aproveitaram a ferida para depositarem seus ovos”, explicou Araújo.

Segundo o Conselho Tutelar de Olinda, a denúncia foi feita pelo próprio hospital, que se chocou com a situação da criança. “Fomos chamados na quinta-feira [6] para verificar o estado da menina e saber com quem ela estava no hospital. Foi a avó materna que percebeu as larvas e a levou imediatamente para o hospital”, apontou Araújo ao G1 nesta segunda-feira (10).

A menina morava com os pais em Águas Compridas, Olinda, Grande Recife. Questionados sobre a infestação pelos conselheiros tutelares, pai e mãe disseram que a criança fazia tudo sozinha, se arrumava e comia sem a ajuda de ninguém e reclamava se mexessem em seu cabeça. Por isso, as larvas teriam passado despercebidas.

“O que me surpreendeu é que eles não moram num lugar de extrema pobreza. Geralmente, em casos assim, a família vive uma situação de extrema pobreza. Porém, eles não. É uma casa humilde, mas limpa e organizada. Ali é um caso de negligência de um tamanho que não tem justificativa. Aquilo não é de um dia para o outro e sim meses”, pontuou Anderson.

Na sexta-feira (7) o Conselho Tutelar procurou a delegacia de Peixinhos, em Olinda, onde prestou queixa. A instituição ainda encaminhou um relatório para o Ministério Público de Pernambuco pedindo a destituição do poder familiar, ou seja, um pedido para tirar a guarda dos pais.

“Eles têm mais dois filhos mais novos, um de 2 e outra de 3 anos. A de 3 anos estava com lêndea na cabeça, mas já está sendo tratada”, contou o conselheiro. Ao ser liberada pelo hospital, a menina ficará com a tia ou a avó materna até que a Justiça decida seu destino.

Por telefone, a assessoria de imprensa do Hospital Maria Lucinda informou que a criança está bem e em observação. Entretanto, respeitando o Estatuto da Criança e do Adolescente, a equipe médica não pode divulgar mais detalhes do seu estado de saúde e procedimentos.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Polícia de Crimes Contra a Criança e o Adolescente de Paulista, no Grande Recife, que é responsável também pela área de Olinda.


Fonte: Por G1 PE

Febre amarela: confirmações de casos seguem aumentando no Espírito Santo

A cada novo boletim da secretaria de Saúde do Estado do Espírito Santo os casos de febre amarela aumentam. Na ultima semana eram 148 casos e o número já se aproxima de 160, sendo 70 óbitos. Este ano, até segunda-feira (10), a Sesa recebeu 572 notificações de suspeita de febre amarela. Cento e vinte e quatro notificações foram descartadas.
Muniz Freire (06), Domingos Martins (05), Brejetuba (04), Colatina (04), Irupi (03), Santa Maria de Jetibá (03), Ibatiba (02), Itarana (02), Laranja da Terra (02), Pancas (02), Afonso Cláudio (02), Conceição do Castelo (02), Venda Nova do Imigrante (02), São Roque do Canaã (01), Vargem Alta (01), Conceição da Barra (01), Cariacica (01), Iúna (01), Santa Teresa (01), Marechal Floriano (01), Santa Leopoldina (01) e Aracruz (01).
A Sesa ressalta que os casos confirmados neste boletim não são de casos recentes. A investigação foi concluída nesta data.
Os 154 casos confirmados são dos prováveis municípios de infecção: Ibatiba (21), Colatina (18), Brejetuba (09), Muniz Freire (09), Conceição do Castelo (08), Castelo (07), Domingos Martins (07), Afonso Cláudio (06), Pancas (05), Serra (05), Laranja da Terra (05), Itaguaçu (05), Marechal Floriano (05), Baixo Guandu (04), Itarana (04), São Roque do Canaã (04), Irupi (04), Alfredo Chaves (03), Santa Leopoldina (03), Santa Maria de Jetibá (03), Cachoeiro de Itapemirim (02), Iúna (02), Santa Teresa (02), Vargem Alta (02), Venda Nova do Imigrante (02), Cariacica (02), Marilândia (01), Fundão (01), Ibiraçu (01), Aracruz (01), Ibitirama (01), Muqui (01) e Conceição da Barra (01).
    fonte: http://eshoje.com.br

Campinas investiga caso suspeito autóctone de febre amarela; paciente é morador de Sousas


Idoso de 63 anos mora a 1 quilômetro de onde foram encontrados três macacos mortos com resultado positivo para a doença. Secretaria de Saúde diz que vai ampliar vacinação.

A Secretaria de Saúde de Campinas (SP) confirmou, na tarde desta terça-feira (11), que investiga um caso suspeito de febre amarela no município. De acordo com a administração, o idoso de 63 anos mora na zona rural do distrito de Sousas, a 1 quilômetro de onde foram encontrados três macacos mortos com resultado positivo para a doença. O paciente está internado e o quadro evolui bem, segundo a Prefeitura. É o primeiro registro suspeito autóctone na cidade.

A Vigilância Epidemiológica aguarda o resultado dos exames do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, para confirmar a doença. Desde o início do ano, outros três casos suspeitos de febre amarela em moradores de Campinas foram investigados e descartados pela administração municipal. Todos os registros eram importados, ou seja, os pacientes haviam viajado para áreas de risco.

Os sintomas de febre amarela no idoso começaram no dia 2 de abril. A Secretaria de Saúde informou que equipes que atuam na vacinação contra a doença foram até a casa do paciente no dia 25 de março, para fazer a imunização, mas ele não estava. Foi deixado um aviso para que o homem fosse ao centro de saúde do bairro, no entanto, ele não compareceu.

Vacinação

De acordo com a Secretaria de Saúde, a partir de segunda-feira (17) a vacinação será estendida para todos os centros de saúde da cidade sem a necessidade de agendamento, mas o cronograma e as regras de imunização vão ser definidos na quinta-feira (13). O governo estadual disponibilizou 50 mil doses da vacina para Campinas nesta semana e vai enviar mais mediante solicitação do município.

Campinas recebeu, no final de semana, 26 mil doses para vacinar a população das regiões de Sousas, Joaquim Egídio, Vila 31 de Março, Village e parte do Taquaral. A Vigilância Epidemiológica ainda informou, em nota oficial, que já aplicou 76,3 mil amostras da vacina contra a febre amarela desde janeiro.

Mortes na região

Amparo (SP) e Monte Alegre do Sul (SP) confirmaram duas mortes provocadas por febre amarela na sexta-feira (7). Com isso, o total de óbitos causados pela doença subiu para três na região - o primeiro ocorreu em Paulínia.

Na quarta-feira (5), o governo do estado confirmou o primeiro caso autóctone de febre amarela na região. Trata-se de uma mulher de 40 anos, contaminada no bairro Girardelli, em Monte Alegre do Sul. O município ainda investiga outro registro suspeito.

Nesta terça-feira, Americana também confirmou que investiga um caso suspeito de febre amarela. Segundo a Prefeitura, um representante comercial de 46 anos está internado há três dias no Hospital Municipal e apresenta sintomas como febre, mal estar e icterícia (olhos e pele amarelados).

Macacos mortos

A Região Metropolitana de Campinas tem 20 macacos mortos por febre amarela em cinco municípios: Campinas (3), Amparo (6), Monte Alegre do Sul (9), Socorro (1) e Tuiuti (1).


Fonte: Por G1 Campinas e região

Americana, SP, investiga caso suspeito de febre amarela, diz Prefeitura


Representante comercial está internado há três dias no Hospital Municipal. Paciente também foi submetido aos exames para suspeita de outras três doenças, diz Prefeitura.

Paciente com suspeita de febre amarela está internado no Hospital

Americana (SP) confirmou nesta terça-feira (11) que investiga um caso suspeito de febre amarela. Segundo a Prefeitura, um representante comercial de 46 anos está internado há três dias no Hospital Municipal e apresenta sintomas como febre, mal estar e icterícia (olhos e pele amarelados).

A administração informou que o paciente também foi submetido aos exames para suspeita de dengue, febre maculosa e leptospirose. O resultado depende de avaliação Instituto Adolfo Lutz.

Segundo a assessoria, o representante tem quadro de saúde estável e não há previsão de alta.

Viagens

De acordo com o governo municipal, o representante comercial é morador do bairro Frezzarin e viaja para diversas cidades do estado de São Paulo. Entre elas estão Amparo e Monte Alegre do Sul, onde foram confirmados duas mortes provocadas por febre amarela na sexta-feira. Com isso, o total de óbitos causados pela doença subiu para três na região - o primeiro ocorreu em Paulínia.

"A Secretaria de Saúde está tomando as medidas necessárias, visando o combate ao vetor Aedes aegypti na área próxima ao local de residência. Quanto ao esquema de vacinação, este apenas será alterado por meio de orientação técnica da Secretaria de estado da Saúde, órgão responsável pelo fornecimento das vacinas", informa nota divulgada pela Prefeitura.

O governo do estado informou que novo balanço sobre casos deve ser divulgado até quinta-feira.

Imunização

Americana não está entre as cidades com recomendação de vacina contra febre amarela aos moradores. De acordo com a Prefeitura, por enquanto a orientação é para que elas sejam destinadas somente para quem planeja viajar para as áreas consideradas de risco.
Cidades com recomendação para vacina

O Ministério da Saúde atualizou, no dia 7, a lista dos municípios com recomendação para vacina contra a febre amarela. Campinas e outras 26 cidades da região integram a relação:
Águas de Lindoia, Amparo, Campinas, Espírito Santo do Pinhal, Estiva Gerbi, Hortolândia, Indaiatuba, Itapira, Jaguariúna, Lindóia, Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Monte Alegre do Sul, Monte Mor, Morungaba, Paulínia, Pedra Bela, Pedreira, Pinhalzinho, Santo Antônio do Jardim, Santo Antônio de Posse, Serra Negra, Socorro, Sumaré, Tuiuti, Valinhos, Vinhedo

Fonte: G1 Campinas e região

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Idoso morre após tomar vacina de febre amarela

03 de Abril de 2017
Com 19 dias de intervalo, o Estado teve a confirmação da segunda morte por febre amarela. A vítima foi um idoso de 69 anos, cujo nome não foi divulgado a pedido da família e que morreu na quinta, dia 30, após ter tomado a vacina, no dia 19.
Ele estava internado no CHN (Complexo Hospital de Niterói) e era morador de Silva Jardim, onde havia sido imunizado. A cidade, a 113 km da capital, é vizinha a Casimiro de Abreu, onde foram confirmados os primeiros casos de febre amarela no Estado e também a primeira morte- de Watila Santos, 38 - registrada no dia 11 de março.
"Exames iniciais deram negativo para dengue, zika e chikungunya e positivo para febre amarela. Esperamos o resultado do teste que vai revelar se ele foi infectado pelo vírus vacinal ou silvestre", informou Tereza Abrahão Fernandes, secretária de Saúde de Silva Jardim.
Caxias tem suspeita
O Grande Rio tem o primeiro caso suspeito de febre amarela, de uma paciente de 31 anos, em Duque de Caxias. Ela foi internada no hospital Adão Pereira Nunes, domingo. O risco seria baixo, e os exames devem ficar prontos em sete dias.

Infestação de ratos e pombos preocupa andreenses



fonte:
Julia Alves
Especial para o Diário Online
Julia Alves/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra
Atualizado às 15:00
Os moradores da Rua Estela, no bairro Vila Alpina, em Santo André, estão aterrorizados com uma infestação de ratos e pombos. Eles reclamam de um vizinho que tem criado as aves durante os últimos anos, atraindo os ratos para a vizinhança. O foco de saída dos roedores é a partir de um bueiro aberto na frente da residência do morador, que deixa alimentos à disposição de ambos os animais.

Segundo os moradores, nenhum órgão público da cidade tomou providências para resolver a situação. A comerciante Cecília Yamashiro, 59 anos, conta que o problema persiste há 20 anos. “Já realizei diversas denúncias sobre esse vizinho. Ele atrai os pombos para uma árvore que fica na calçada, os ratos saem de um cano no mesmo local. Infelizmente, moro ao lado e os animais invadem meu lar.”

Cecília também afirma que, durante as poucas vezes que a Prefeitura atendeu os pedidos para fiscalizar o local, os funcionários desistiram de resolver o problema e foram embora após serem recebidos a gritos. “Disseram que não poderiam fazer nada sem a permissão do morador, já que a árvore e o bueiro ficam na frente de sua casa. Um dos funcionários disse que cortaria apenas parte da árvore que estava invadindo a minha residência se eu lhe pagasse R$ 100.”

Com a grande quantidade de animais transmissores de doenças circulando pela vizinhança, a mulher teme que a situação agrave os problemas de saúde de seu marido, Seiithi Yamashiro, 59. “Já encontrei ratos comendo pombos mortos no meu telhado. Uma vez passei dias tentando matar uma ratazana que entrou na minha casa. Não deixo nenhuma sujeira ou comida exposta, mas eles entram mesmo assim.”

Os moradores da rua afirmam terem tentado conversar com o vizinho por diversas vezes, mas ele segue irredutível. “Esse homem grita e ofende qualquer pessoa que se aproxime da sua casa. A Prefeitura deu o prazo de um mês para resolver o problema, mas é muito tempo. Cada vez aparecem mais ratos”, conta a confeiteira Patrícia Lopez, 42.

O comerciante Jorge Bitencourt, 59, disse encontrar cerca de oito ratos por semana em sua residência. “Eu coloco armadilhas e venenos, porém os ratos continuam surgindo. Uma vez coloquei veneno nos canos, mas esse vizinho os retirou e jogou fora. Espero que a nova Administração tome alguma atitude”, finaliza.

A reportagem foi até o local e conversou com o morador, que não quis se identificar, mas disse que não irá tomar nenhuma providência. “Esse é o trabalho da Prefeitura (de Santo André). Já vieram aqui diversas vezes, mas foram embora pois não encontraram o rato”, afirma ele.

Em nota, a Prefeitura informou que possui diversas ordens de serviço em regime de urgência, inclusive inúmeras não atendidas em 2016, por isso a equipe está aos poucos normalizando a fila de demandas. Para essa região foi encontrado no sistema apenas uma solicitação recente e já está na programação do Departamento de Vigilância à Saúde atendê-la. Na tarde desta terça-feira, a Prefeitura esteve no local e realizou a desratização.